Segundo diretor-geral da FAO, dois-terços dos habitantes do planeta vivem sob escassez severa de água em alguns períodos do ano; conferência em Brasília debate falta d’água como fator para migração.

A reportagem é de ONU Brasil, 21-03-2018, publicada no IHU.  

O uso global da água aumentou seis vezes no último século, o dobro do índice de crescimento populacional. Estes dados foram apresentados pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, nesta terça-feira.

A mensagem do diretor-geral da agência foi transmitida ao 8° Fórum Mundial da Água, que acontece em Brasília. Segundo José Graziano da Silva, a escassez de água já é um desafio para a raça humana devido a fatores como mudança climática e poluição.

Migração
Graziano da Silva lembra que isso causa um forte impacto para as pessoas que dependem de agricultura e muitas não veem outra alternativa a não ser migrar.

Essa relação entre escassez de água e migração foi destacada pelo diretor da Divisão de Terra e Água da FAO durante entrevista à ONU News. Eduardo Mansur está em Brasília, participando do Fórum Mundial da Água.

“A falta d’água pode ser muitas vezes o gatilho da migração rural, mas ela não é um gatilho inicial. Muitas vezes, está associada com outros problemas econômicos e conflitos. Nós temos que observar esses fenômenos naturais que estão cada vez mais intensos e cada vez mais frequentes, como a seca e a escassez de água e usar isso como uma oportunidade de adaptação da agricultura às mudanças climáticas.”

Opção
Segundo Eduardo Mansur, o ideal é que a migração seja uma opção para as pessoas de zonas rurais e não a solução final quando essa população já está “desesperada” pela falta d’água.

O diretor da Divisão de Terra e Água da FAO lembra que o fenômeno da migração já existe há muito tempo e que o planejamento é ideal.

“A migração é um problema quando ela ocorre de forma forçada, quando é opção única para o camponês ou camponesa que ficou numa situação de penúria pela falta de água. Neste caso, nós temos que pensar antecipadamente, prever, planificar e oferecer opções de adaptação para que a migração eventualmente seja uma opção a considerar e não uma única saída.”

Segundo a FAO, dois-terços da população global enfrentam escassez severa de água durante pelo menos um período do ano.