Ao Vivo
 
 

Igreja

                                                                Cardenal Odilo Scherer  visita Alto Solimões, no Amazônas

Cardenal Odilo Scherer  visita Alto Solimões, no Amazônas

Por Luis Miguel Modino   O Cardeal Odilo Scherer, arcebispo de São Paulo, visitou recentemente a diocese de Alto Solimões. A presença de uma das figuras mais conhecidas da Igreja do Brasil serviu para se fazer presente na prática totalidade das paróquias, conhecendo as diversas realidades com as que a Igreja convive na região da fronteira brasileira com a Colômbia e o Peru: periferias das cidades, comunidades ribeirinhas e indígenas, sobretudo da etnia ticuna. A diocese de Alto Solimões tem uma superfície de 131.614 km quadrados e uma população de 216.000 habitantes, uma terceira parte indígenas, e está dividida em 8 paróquias, com uma presença de 14 padres, a metade deles religiosos capuchinhos, que assumiram a diocese desde sua fundação em 1910. Junto com os padres, se fazem presentes em Alto Solimões umas trinta religiosas, além de muitos catequistas que realizam o trabalho pastoral nas 252 comunidades da diocese. Num artigo publicado neste 17 de Janeiro em “O São Paulo”, o jornal de Arquidiocese paulistana, o cardeal afirma que “a Amazônia está no foco das atenções missionárias da Igreja Católica e já era tempo que isso acontecesse de maneira mais efetiva!”. Dom Odilo Scherer relata o trabalho que a Igreja do Brasil desenvolve na região por meio da Comissão Episcopal para a Amazônia, a Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM) e o Projeto Igrejas irmãs, com o qual o Regional Sul 1 da Conferencia Nacional dos Bispos de Brasil (CNBB), do qual faz parte a Arquidiocese de São Paulo envia missionários no Regional Norte 1, que compreende as dioceses dos estados de Amazonas e Roraima, também a diocese de Alto Solimões. Junto com isso, o Arcebispo ressalta o Sínodo dos Bispos para a Pan-Amazônia, que vai ser realizado em 2019, e na visita do Papa na região amazônica, concretamente em Puerto Maldonado, onde vai se dar o pontape inicial da preparação de um evento que sem dúvida vai marcar decisivamente o futuro da evangelização num dos pulmões do Planeta. O motivo da visita, em palavras do cardeal Scherer é “o desejo de também estar mais próximo da Igreja na Amazônia”. Nos dias de estância em Alto Solimões, percorrendo as paróquias e comunidades, conhecendo a realidade, tem descoberto que os “grandes desafios e urgências da diocese são a formação de um clero próprio, a evangelização aprofundada do povo para se manter unido à Igreja e a formação de lideranças para as comunidades”. Junto com isso, diz que as “dificuldades maiores são as distâncias e a precariedade dos meios materiais para fomentar devidamente a vida e a missão da Igreja. A paróquia mais distante fica a quase 500 km da sede da diocese, Tabatinga! O combustível representa uma despesa significativa para visitar as comunidades, sempre de barco”. Dom Adolfo Zon agradece a visita do Arcebispo de São Paulo, destacando a eucaristia celebrada com o Povo Ticuna na Paróquia de Belém do Solimões. Mas acima de tudo ele fica com uma frase de Dom Odilo: “os bispos devem vir até aqui e conhecer diretamente esta realidade”.
Igreja de Puerto Maldonado publica nota informativa para a visita do papa Francisco

Igreja de Puerto Maldonado publica nota informativa para a visita do papa Francisco

A cidade de Puerto Maldonado, no Peru, tem se tornado nestes dias num ponto onde convergem todos os caminhos e todos os viajantes. Jornalistas peruanos e de muitos países dos cinco continentes, moradores da Amazônia peruana e dos países próximos como a Bolívia e o Brasil; peruanos de outras regiões que querem fazer turismo e ver o papa e, além, ilustres visitantes como o cardeal brasileiro Cláudio Hummes, presidente da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), Mauricio López, Secretário Executivo da Rede, Irmã Irene Lopes, Assessora da Repam-Brasil e Dom Pedro Barreto, arcebispo de Huancayo, um dos impulsores da Repam quando trabalhou como no Departamento de Justiça e Solidariedade do  Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam). A Repam é uma rede da Igreja nos países que têm Amazônia; foi criada em 2014 com a finalidade de se colocar ao serviço dos povos indígenas, e procura lutar em defesa de seus saberes ancestrais, de seus territórios e de seu direito numa participação efetiva nas decisões que se tomam em relação com sua vida e seu futuro. Os dias 17 e 18 em preparação da visita do papa haverá duas grandes reuniões. No 17 vai ter um programa de atividades que vai reunir todos os membros do Vicariato e que vai ter como conteúdo a reflexão sobre a exortação apostólica "A Alegria do Evangelho" contextualizando-a na realidade dessa jurisdição eclesiástica. Vai se iniciar com uma reflexão de todos os participantes para logo após passar para trabalhos dos grupos segundo cada pastoral: grupo indígena, grupo camponês, grupo de religiosidade popular, grupo de jovens e o grupo urbano. O que se busca é que o documento que ilumine o Plano Pastoral de Puerto Maldonado no próximo ano. Se espera a participação de mais de 700 pessoas para esta jornada de reflexão pastoral. No dia 18 de janeiro representantes dos vicariatos amazônicos de nove países vão se encontrar na cidade de Puerto Maldonado, Peru, num encontro que terá como centro a encíclica Laudato Si, que publicou o Papa em 2015. Outro ponto importante que vai ser abordado será o Sínodo Pan-Amazônico, assembleia de bispos convocado pelo Santo Padre e que vai acontecer em 2019. Para tratar desses temas vai ter a participação de representantes dos oito vicariatos da selva peruana, além de seus iguais dos demais países amazônicos. O encontro vai começar com um breve discurso do cardeal Cláudio Hummes, Presidente da Repam. Logo após vai ser a vez de Mauricio López, seu Secretário-Executivo, e posteriormente de Dom David Martínez de Aguirre, bispo do Vicariato Apostólico de Puerto Maldonado. Para esse encontro vai se contar como convidados com centenas de representantes dos povos indígenas tanto do Peru como de países vizinhos. Calcula-se uma assistência de mais ou menos duas mil e quinhentas pessoas. Se espera também a presença do cardeal Lorenzo Baldisseri Secretário do Sínodo dos Bispos, que vem desde Roma para conversar com os bispos e o papa sobre o sínodo Pan-Amazónico. No dia 18 de janeiro às 18 horas tem se programado uma vigília como ato prévio da visita do Papa Francisco na cidade de Puerto Maldonado. O Local é a Praça de Armas. Haverá concerto de música, danças e uma procissão.